OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Posts Tagged ‘crise’

CÃES DE GUARDA

Posted by qmiguel em 05/12/2012

caesdeguarda

São estes que aparecem na fotografia mas há centenas deles espalhados por  essas redações, estúdios de televisão, universidades… Servem para te explicar que a exploração não só é aceitável como é mesmo inevitável, e que nenhuma sociedade se poderá construir sem que alguém acumule o trabalho que outro produziu. Servem para deturpar a história, para a reinventar, para a contorcer até caber na narrativa oficial do sistema. Servem para que os capitalistas possam dormir descansados, para que amanhã te explorem de novo, para que não chegue até quem trabalha uma mensagem de luta por um mundo mais justo. Dependem directamente de quem te explora e de quem te oprime, devem a esses a sua sobrevivência, e são esses que defendem. Provavelmente nunca antes em democracia houve uma tal hegemonia ideológica dos meios de produção e difusão do conhecimento e da opinião como hoje.

Hoje eles vão dormir descansados, e quem fica com o fruto do teu trabalho vai dormir mais descansado porque eles existem.

E tu como vais dormir hoje?

Anúncios

Posted in Génio da banalidade, MENTIRAS | Com as etiquetas : , , , , , , | Leave a Comment »

ESTE NÃO É O ORÇAMENTO DE QUEM TRABALHA

Posted by qmiguel em 31/10/2012

Porque este não é o orçamento de quem trabalha.

Porque o aprovam mostrando que não têm respeito por qualquer principio democrático.

Porque fogem dos trabalhadores como do diabo da cruz.

Porque te fazem a vida num inferno.

Porque esta crise não é a tua.

Porque vão buscar aos teus bolsos o dinheiro para os cofres da banca.

Porque urge rasgar o pacto de agressão e tomar em nossas mãos o rumo das nossas vidas.

Porque só na rua se pode travar esta política.

Porque te obrigam a pagar a crise do capital.

Porque podemos acabar com a exploração.

Porque o capitalismo não é reformável.

Porque não há bandeira sem luta, dia 14 a greve é a tua arma.

Posted in Greve Geral | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

A RUA DO CONSUMO CRUZA SEMPRE COM A AVENIDA DA PRODUÇÃO

Posted by qmiguel em 24/10/2012

       Chegado ao fim do meu trajecto nos transportes subo para respirar a manhã da cidade em ebulição. Uma esquina, ora outra, e deparo-me então com uma multidão ordeira disposta numa fila que se estendia por um quarteirão inteiro. Do outro lado da estrada um grupo diferente protestava contrastando com a ordem da fila disposta à sua frente. Como as minhas manhãs são de difícil acesso, sobretudo para o meu cérebro, procuro compreender calmamente o porquê de tamanha agitação. Facilmente num golpe de vista identifico um signo que me é familiar: Apple; faço mais um esforço e começo a notar na composição social dos indivíduos que compõem a fila: claramente abastados, jovens dinâmicos “futuros empreendedores” penso eu para mim mesmo porque as minhas manhãs são também o território preferido dos meus preconceitos. Entre os dinâmicos futuros jovens empreendedores consigo distinguir, a espaços, alguns sem-abrigo: uma especialidade que nos é oferecida pela burguesia parisiense. Trabalho então com três contradições ao mesmo tempo, demasiado para a minha mente ainda anestesiada. Começo a ouvir as reivindicações dos que, do outro lado, protestam, já circundados pela muy cortês Companhia Republicana de Segurança (CRS). A maioria dos que se encontram na fila procuram ignorar o protesto, alguns esboçam um insulto que não consigo perceber claramente.

           Chego-me então perto dos que compoêm a fila junto à porta, sobretudo porque me estão mais próximos mas também porque os simpáticos polícias tornam já mais dificil o contacto com os manifestantes. Entre muita roupa de marca e a vontade febril de surfar na crista da onda da sociedade de consumo (?) dizem-me não compreender o porquê da manifestação, nem de que se trata, nem porque estariam ali neste dia. Entretanto como vou acordando já consigo ouvir as renvindicações dos manifestantes e mais importante compreender o que reclamam: trabalho. São antigos empregados da Apple vítimas de uma qualquer “reestruturação” desse templo da inovação (?), afinal “re-inventar a nossa forma de viver” deve ter danos colaterais deste tipo. A fila dos consumidores libidinais essa continua serena, só não consigo perceber o porquê destes contarem entre as suas fileiras com um número considerável de sem-abrigo, desta vez não me vou contentar com uma evasiva e abordo um deles: diz-me que foram pagos para estarem ali, que estão apenas a guardar lugar para consumidores retardatários que asseguraram desta maneira um lugar na fila. “Quão mais libidinal pode ser o consumo?”, pergunto-me. Bem me parecia que o poder de compra dos sem-abrigos não ia a par com as ambições comerciais da Apple, afinal “reinventar a forma como vivemos” sim, tudo bem, mas não para todos. Enojado cruzo a estrada aproximo-me dos manifestantes, grito-lhes qualquer coisa que os encoraje e sigo porque já estou atrasado para outras lutas.

Posted in * QUASE SEM COMENTÁRIOS, A quem a trabalha, entr.ARTE.nimentos | Com as etiquetas : , , , , , , , , | Leave a Comment »

GRÉCIA: O CAMINHO É E NÃO É SEMPRE EM FRENTE

Posted by qmiguel em 05/06/2012

Dentro de alguns dias a Grécia vai a votos. Que podemos esperar? É anunciada a vitória do Syriza, isto é da franja mais radical da Social-Democracia grega que a pulso toma o lugar do Pasok e recompõe as forças de governação da esquerda do sistema (capitalista). Não é portanto de espantar que tenha vindo a lume que uma antiga ministra da economia do Pasok (sim de um governo Papandreou) se tenha aliado ao Syriza. São pormenores, mas são pormenores que contam: esta última foi responsável pelo primeiro plano de austeridade (de 2009 se não estou em erro). O que esperar desta Social-Democracia recomposta? é difícil antever algo mais que capitulação face aos fundamentos ideológicos que regem a Europa. Membro do Partido de Esquerda Europeu o Syriza tem vindo a demonstrar uma hostilidade crescente para com o KKE (Partido Comunista Grego) e para com as forças progressistas que procuram fazer frente às forças do capital europeu e grego. Poderão objectar que não: que esta esquerda dita radical está apostada em defender os interesses dos trabalhadores e do povo grego, que as esperanças depositadas num governo do Syriza são justificadas e que a política será necessariamente anti-austeridade e anti-troika. A questão que se impõe então é até onde estão prontos a ir? A dúvida legítima impõe-se, ela também: será que um partido como o Syriza, que apoia os fundamentos desta construção europeia, a mesma construção que permitiu o ascendente do capital europeu, a consequente repressão e austeridade que a classe trabalhadora e os povos hoje sofrem, terá como prioridade fundamental os interesses mais profundos da classe trabalhadora, ou capitulará perante os fundamentos da construção com a qual está (e quer estar) comprometido? Basta pensar que a não rejeição do MES manieta a política econômica e financeira de qualquer governo grego, basta lembrar que formações que compõem o Syriza apoiam o tratado de Maastricht etc… As prioridades parecem estar bem estabelecidas se atendermos à hostilidade desta formação para com o KKE e à proximidade  crescente que vai ganhando com a burguesia (grande) grega. A vontade de formar um governo verdadeiramente patriótico e progressista não parece ser uma realidade (até pelo presente envenenado que lançou na direção do seu pretenso aliado). Querer “salvar a Europa” é tão megalômano como abstractamente bonito, mas a questão é: Salvar a Europa para quem? Uma crítica cuidada da construção europeia faz qualquer um chegar à conclusão de quando a social-democracia grega diz que quer salvar a Europa o que está realmente a dizer é que quer salvar o sistema do capitalismo europeu tal como o conhecemos. Este processo de “salvamento” reveste-se é sabido, tanto de ganhos pontuais para os trabalhadores (que, enquadrados devidamente, nunca são de desprezar) como de ganhos estruturais para os capitalistas. Em última a análise estarão dispostos a sacrificar os interesses dos trabalhadores gregos para “salvar” a Europa ( isto é o sistema do capitalismo). A verdade é que politicamente o Syriza concorre para salvar o sistema capitalista (em geral, mas também na sua declinação particular actual – aliança da burguesia grega com a burguesia europeia). A questão que sobra é: quanto tempo até o povo grego ver deitadas por terra as suas ilusões de uma superação peremptória da actual situação política e econômica ?  Em nada as eleições de domingo serão um corolário concreto, elas são apenas mais uma etapa na luta do povo grego.

Passemos ao KKE, partido que tem sido alvo da fúria de toda a burguesia europeia, da calunia de todos os meios de comunicação, e do desdém de todo e qualquer intelectual pequeno-burguês encantado com a perspectiva auto-ilusória de uma reforma (isto é de que tudo mude para que no fundo os fundamentos e o rumo concreto não mude). O porquê de tais pruridos é facilmente explicável pela influência deste junto da classe trabalhadora grega e pelo seu já heroico papel na resistência face às actuais políticas.  A unidade é, e será certamente, a tarefa que se impõe neste momento ao KKE, trazer a unidade o que pode ser trazido e combater aquilo que fizer frente aos interesses profundos dos trabalhadores gregos respondendo concretamente aos desafios das novas realidades que se-lhe vão abrindo a cada momento. Sem ganhar a confiança dos trabalhadores e do povo grego, sem que estes vejam nele uma formação responsável capaz de caminhar ao lado da classe trabalhadora e de elevar a sua consciência, sem o esforço profundo de construção de tal unidade nenhuma solução é possível. Os comunistas gregos terão de estar à altura da complexidade dos acontecimentos. Os meandros da táctica podem facilmente fazer ruir a estratégia. Mais do que ninguém estes estarão conscientes dos problemas e das condições concretas da tarefa que se lhes apresenta e não se nos configura prescrever receitas abstractas e polidas para a sua luta. Se a táctica é questionável a estratégia é firme e a solidariedade é um dever. De uma coisa podemos ter a certeza: nenhuma solução transformadora é possível para a Grécia sem o KKE, tão simplesmente porque nenhuma solução é possível fora da luta de massas. Ser solidário também é confiar que os comunistas gregos encontrarão o seu caminho e imprimirão à sua luta a direcção necessária para a superação da actual crise. 

Posted in *, Grécia | Com as etiquetas : , , , , , | 5 Comments »

A PRODUTIVIDADE, ORA AÍ ESTÁ…

Posted by qmiguel em 17/01/2012

Aí está a “prenda no sapatinho” do capital. Como se nos tempos que correm fosse coisa que rareasse. A musica acaba e as tombam as mascaras: um trabalhador deve dispor do mínimo poder possível sobre a sua vida, não servisse a sua existência apenas para que lhe seja sugado o fruto do seu trabalho.

Férias é coisa para quem dispõe de capital, para os proprietários, esses sim poderão ser livres, cada vez mais livre de sugar o trabalho alheio. Uma jorna organizada onde  procuramos encaixar, entre as fatigantes horas de exploração, um tempinho para estarmos com os nossos é coisa  que não deve depender de quem trabalha para que outro amealhe.  Afinal só precisamos de descansar para “recuperar física e psicologicamente” para que amanhã, ou dentro de 5 minutos, a exploração possa continuar.

Pois sim terão por certo todos os direitos formais, até o de dizer que não, mas nunca em conjunto digamos que de uma forma mais “dinâmica” através de “estruturas para o efeito”, até porque o direito ao seu posto de trabalho passa a estar dependente do mero e unilateral apetite do patrão, que terá apenas que formalmente explicar de que forma alguém é inadaptado, isto quando não lhe apetecer simplesmente extinguir o posto de trabalho em questão (até porque já pode haver outro de “conteúdo funcional idêntico”), nada que nos preocupe pois haverá sempre um “critério relevante”. O “critério relevante”, “estruturas representativas”, “dinamização”, são as novas denominações da mais pura repressão social.  Estamos todos às ordens e a lei é conforme…

Total liberdade, mas liberdade para despedir, para reprimir, para explorar. Nenhuma liberdade para quem produz. Em nome de uma crise para a qual o sistema capitalista não oferece nenhuma possibilidade de superação.

Hoje mais que ontem, uma barricada só tem dois lados.

Posted in *, A quem a trabalha, Acordai!, Crime, Greve Geral, Sindicatos | Com as etiquetas : , , , , , , , , | Leave a Comment »

MAIOTE A FERRO E FOGO

Posted by qmiguel em 20/10/2011

Na ilha de Mayotte (território francês ao largo de Moçambique) a população local é vitima da mais vil especulação capitalista. As grandes superfícies comerciais inflacionam o preço dos mais basicos produtos alimentares atirando um povo inteiro para a mais negra fome e miséria. Os alimentos mais básicos num Carrefour, Casino, ou Intermarché da ilha podem chegar facilmente a 3 ou 4 vezes o preço do mesmo produto numa superfície da mesma empresa em Paris!.

Após sucessivas greves gerais, e votados à mais ignóbil ignorância por parte dos media e da classe política burguesa da “metrópole” (que tem “falhado” no seu papel de “mediador” entre grandes comerciantes e populações), o movimento entra hoje no seu 24º dia. O clima de guerra civil instala-se a pouco e pouco na ilha (barricadas, confrontos com as autoridades, retaliações…). Durante a noite a polícia e seguranças privados defendem os hipermercados da fúria de uma multidão esfomeada (tendo o governo francês  mobilizado ja parte do exército para a região). A economia da ilha encontra-se devastada pelas sucessivas políticas neo-liberais e anti-populares.

Sarkozy estará concentrado no seu mais jovem rebento, e o PS, mais preocupado com o acelerar das medidas de austeridade, lançou apenas um breve apelo à calma.

Entretanto o povo de Maiote passa fome e sai à rua…

Posted in França, Greve Geral, Imperialismo, Maiote, Mayotte | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

DIVIDOCRACIA

Posted by J. Vasco em 12/07/2011

Para ver, reflectir e divulgar:

 

Posted in Crise, Dividocracia | Com as etiquetas : , , , | 1 Comment »

SABEDORIA GREGA (II)

Posted by J. Vasco em 18/05/2010

15 de Maio de 2010, Atenas.

A televisão não mostra, os jornais não falam. Avante, Grécia!

Posted in Grécia | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

SABEDORIA GREGA

Posted by J. Vasco em 17/05/2010

15 de Maio de 2010, Atenas.

A televisão não mostra, os jornais não falam. Avante, Grécia!

Posted in Grécia | Com as etiquetas : , , | Leave a Comment »

PEANUTS

Posted by J. Vasco em 15/05/2010

Os mais distraídos e ingénuos engoliram o isco em torno do paleio da «necessidade de reduzir drasticamente o défice das contas públicas» e têm-se esfalfado a discutir o TGV, o novo aeroporto, as auto-estradas e outras minudências orçamentais.

Por um lado, demonstram, fazendo companhia aos liberais, que desejam ver o investimento público descer ainda mais, até níveis só vistos antes do 25 de Abril.

Por outro, deixam escapar o essencial, que vai passando por detrás do biombo.

De facto, sem pruridos, falando claro, com aguda perspectiva de classe, e olhando para o horizonte, os patrões, pelas bocas, por exemplo, do fascista João Salgueiro e do salta-pocinhas Luís Nazaré, lançam já para a opinião pública programas de grande regressão social: cortes nos salários e nas pensões, fim do 13º mês, fim dos subsídios de férias e de natal, liquidação do que chamam «estado social», esvaziamento da função pública, promoção dos recibos verdes, etc. Chamam a isto «mudar de vida», apimentam a coisa com a estafada ladaínha segundo a qual «temos (QUEM, SENHORES?) andado a viver acima das nossas possibilidades». O programa, como se vê, é ambicioso e resume-se a ajustar contas com as conquistas históricas do século XX. Precisamos, na luta, de estar à altura de o combater e de o derrotar.

Ao contrário do que ensina a propaganda oficial passada nas televisões, rádios e jornais, é isto mesmo que se joga na Grécia. Na Grécia não há «caos social» nenhum. Há uma intensa e encarniçada luta de classes, que é parte e momento daquela que se joga a nível mundial. O nosso futuro decide-se aqui em Portugal, é certo, na derrota do governo dos patrões encabeçado por Sócrates e auxiliado por um tal de Coelho, como se decide na luta heróica dos trabalhadores gregos contra o esbulho do capital, coordenado a partir do eixo Paris-Berlim com a colaboração dos capatazes de Lisboa, Madrid, Dublin e Atenas. 

TGV?! Peanuts… 

Posted in Peanuts | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

CRISE PERMANENTE

Posted by * em 14/05/2010

Desengane-se quem pensar que às crises sempre se seguirão alegres períodos de estabilidade e crescimento. O padrão da sequencialidade das crises também se altera no tempo:

1720: quebra na Grã-Bretanha, em Dezembro.

1825 : tem início o ciclo periódico das crises propriamente capitalistas.

1882: França entra em crise económica.

1901: crise de Wall Street.

1906: crise de Wall Street.

1919: crise de Wall Street.

1929: quinta-feira negra em Wall Street.

1937: crise de Wall Street.

1973: crise do petróleo.

1987: Wall Street desmorona no dia 19 de Outubro.

1990: crise deflacionaria, com início no Japão.

1997: crise com início em Hong Kong.

1998: Agosto negro na Rússia.

2000: primeira grande crise da bolsa electrónica (Nasdaq).

2001: índice Dow Jones sofre a maior perda, em pontos, da sua história.

2002: crise iniciada com o caso Enron. A Crise alastra-se pelo mundo e prolonga-se no tempo.

2008: crise dos “subprime” propaga-se aos mercados financeiros americanos e mundiais.

O que se verifica, se analisarmos as crises quanto às suas causas, sequencialidade, dimensão e prolongamento e quisermos estabelecer a sua lei de formação, é que a tendência global é a de o tempo entre crises ir diminuindo. Além disto, cada nova crise tem uma maior repercussão a nível mundial e prolonga-se mais no tempo. É verdade que Marx afirmava que não havia crises permanente, uma vez que as crises são períodos temporários de ajustamento do próprio capitalismo. Mas o capitalismo pode bem levar-nos a uma situação de CRISE PERMANENTE, no sentido de o capitalismo enquanto sistema entrar numa crise global insanável no seio do próprio capitalismo.

Posted in Crise permanente | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

CRISE, MON AMOUR

Posted by * em 14/05/2010

Só no primeiro trimestre de 2010:

Cimpor: lucros de 45 milhões de euros;

EDP: lucros de 309 milhões de euros;

Os cinco maiores bancos portugueses registaram um lucro diário de quase 5,5 milhões de euros.

Posted in Crise | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

O MORTO SUICIDA

Posted by * em 02/05/2010

O pedido dos governos e partidos burgueses para que as instituições financeiras moderem os excessos da sua perigosa actividade especulativa parasitária e para que gestores de empresas moderem os seus salários insultuosos é bastante ilustrativo:

1) Este pedido é acompanhado por um acirrar da exploração a todos os níveis, processo levado a cabo com a participação empenhada dos mesmos governos e partidos burgueses que, candidamente, clamam por “justiça social”, mostrando que se trata apenas de olear a máquina a um nível superficial, enquanto o motor é levado a funcionar de modo ainda mais intenso;

2) A resposta a tão moderado pedido foi, por toda a parte, um rotundo NÃO! O capitalismo funciona em piloto automático, não é qualquer interferência política, qualquer pedido (mesmo da parte de quem lhe quer bem, de quem quer apenas evitar o sobreaquecimento da máquina), que  poderá impedir ou “perturbar” significativamente o seu funcionamento. O capital nem sequer é capaz de moderação no que diz respeito aos seus próprios comportamentos suicidas.

O capitalismo é a morte a dominar a vida. E a morte não tem medo de morrer. Há mortos suicidas?

Posted in O morto suicida | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

OS PASSOS DE COELHONE PELA GRÉCIA

Posted by * em 02/05/2010

A receita “Pedro Passos Coelhone” já foi aplicada…

… na GRÉCIA!

Pode-se mesmo dizer que a actual crise grega é, em grande parte,o resultado da aplicação desta receita de neoliberalismo extremo, a mesma que a burguesia mais reaccionária pretende aplicar a Portugal.

O governo grego de direita de Costas Karamanlis, a “nova democracia”, partido-gémeo do PSD luso, privatizou, desde que assumiu o poder em 2004, tudo o que podia, deixando o Estado grego numa situação de penúria e sem almofadas económico-orçamentais para enfrentar qualquer crise (momento inevitável do funcionamento do sistema capitalista) que pudesse surgir. Trabalhou também arduamente para aumentar a precariedade laboral e diminuir os salários, o que se reflectiu numa retracção da capacidade de compra dos trabalhadores e na consequente deficiente realização das mercadorias produzidas. As grandes manifestações de 2008 ocorreram exactamente como reacção ao rebaixamento do tecto salarial dos funcionários públicos, às reformas nos sistemas de segurança social, etc.

O governo de socialista de direita, do PASOK George Papendreau, partido-gémeo do PS luso, que recebeu um Estado quase falido como herança dos compadres da Nova Democracia, lá vai seguindo os passos dos mais reaccionários, continuando a apostar exactamente no modelo que levou a Grécia à ruína.

Claro que a burguesia aproveita sempre a queda das suas vítimas para desferir os golpes mortais. Por isso, insiste que as privatizações e reformas neoliberais ainda deveriam ser mais abrangentes, que só bebendo o veneno até ao fim é que o doente ficaria mesmo curado.

Mas o que importa o destino dos povos? O que importa a vida dos que trabalham? O importante mesmo é que o carrasco a seguir, o PP-Coelhone, é jovem, diz coisas simpáticas, veste-se bem e até tem uns think tanks (agências de informações privadas, sob a capa de organizações de intervenção social) a trabalhar para ele, não é? Então vamos lá, cantando e rindo até à ruína final.

Posted in Grécia, PP Coelho | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

NOJO, SÓ NOJO, SIMPLESMENTE NOJO

Posted by J. Vasco em 16/04/2010

Domingo passado, hora de almoço.

Olhemos bem de perto este casal de desempregados do Vale do Ave (olhemo-lo, hoje, somente a ele, contemos apenas o seu caso, deixemos de lado, por momentos, aquele, da Azambuja, ou o outro, além, de Santo Tirso, ou esse aí, aí mesmo, da Covilhã, ou ainda aqueloutro, da Amadora… ou não será antes de Guimarães, ou de Ovar, ou de Faro, ou de Coimbra?). Os vizinhos da terra, mais novos, sem infantes, já partiram há um ano, meses depois da fábrica ter sido encerrada pela administração, as máquinas roubadas pelo Sr. CEO com o beneplácito do estado português, e os lucros, claro, tranferidos para uma conta na Suíça (a Suíça lava mais branco), ou para um off-shore perto de nós: uns foram para Espanha, tentar a sorte na laranja, na vinha, na construção civil – nunca mais se soube deles; outros abalaram para Andorra, a empregarem-se no comércio – como será que hão-de estar? 

O nosso casal, quasi-cinquentões ambos, dois filhos a estudar (e a comer, e a vestir, e a levar ao médico), recebe agora, por junto, um poucochinho menos de 1000 euros de subsídio de desemprego, após dezenas de anos de trabalho e de descontos. Os horários e os ritmos de trabalho nunca foram brandos, antes pelo contrário: «a produtividade, ora aí está». Os salários que auferiram durante esse tempo foram, como é bom de ver, aqueles salários «competitivos» próprios de qualquer «economia de mercado» que premeia o «mérito» e a «excelência». Em bom português, salários de miséria que são o correlato necessário, incontornável, inescapável, forçoso, dos lucros gigantescos dos Belmiros, dos Amorins, dos Berardos, dos Espírito Santo, e tutti quanti. E das «migalhas» generosas que eles dispensam aos seus homens de mão do PS, PSD e CDS, seja como ministros de turno, ou como gestores de ronda.

Mas voltemos ao almoço de domingo do nosso casal de desempregados, que já vai arrefecendo. 

O cozido que calmamente degustam foi confeccionado com os produtos do horto, que ainda lhes vai valendo.

O televisor está ligado, transmitindo a sessão de encerramento do trigésimo-não-sei-das-quantas-congresso-do-PPD/PSD. O gauleiter recém-entronizado, um tal de Passos Coelho, yuppie betinho com olhos de carneirinho mal morto, espécie de Ken (para quem não saiba: o namorado da Barbie) arrivista e sem escrúpulos, dá largas a todo o seu ódio de classe, espraia-se, com indisfarçável gozo, em carícias, promessas de amor e juras de fidelidade à burguesia, e em humilhações e ataques contra os pobres. Depois de propor congelamentos de salários, mais privatizações (o que será que sobra, depois do PEC?), e a revisão constitucional (será por ainda lá estar o serviço nacional de saúde, a educação tendencialmente gratuita, enfim, ainda algumas marcas da revolução de Abril?), depois de tudo isto, dizia-se, o snob Coelho condensou finalmente o seu mais alto pensamento político, como que dirigindo-se directamente ao nosso casal de «privilegiados»: «os que recebem subsídio de desemprego têm de retribuir com trabalho para a comunidade». Ah, valentão!

                                                            

É nojo, só nojo, simplesmente nojo, que estes trastes reaccionários provocam. Limitam-se a dar expressão política aos preconceitos mais fascistóides do senso-comum, tentando com isso dividir para reinar, tentando com isso virar o pobre contra o miserável. 

Sejamos, no entanto, pacientes, e reponhamos a verdade: o subsídio de desemprego é resultado de descontos que, mensalmente, os trabalhadores fazem para a segurança social. É um direito (conquistado pela luta, senhores snobs, arrancado na luta, senhores yuppies), não é nem uma benesse, nem uma esmola (de que vocês tanto gostam, senhores «democratas» de pacotilha, para manter pobres os pobres). Não é destempero orçamental, nem dádiva do governo-mãos-abertas para ganhar eleições, como dizem os liberalóides. Repete-se: é um direito. Aliás, enquanto regime contributivo, funciona como uma espécie de seguro (nalguns países tem mesmo esse nome), a lógica é idêntica à de um seguro.

Que esta coisa fascistóide, liberal em toda a linha, a que o tal de Passos Coelho preside tenha como nome «partido social-democrata» é coisa que já não é da ordem da comédia, mas da tragédia. É a continuação da mentira que enforma, determina e pontua a sua política direitista, elitista e reaccionária. Política que promove, aprofunda e torna sem saída a situação dos casais desempregados – agora sim, falemos deles – da Azambuja, de Santo Tirso, da Covilhã, da Amadora, de Guimarães, de Ovar, de Faro, de Coimbra…

O casal do Vale do Ave, depois do almoço de domingo, continua até hoje na mesma. Com efeito, o centro de emprego da sua área de residência tem empregos a rodos para dar e vender. A 2 euros à hora. A recibos verdes. Algumas horitas por semana. Como dizia o outro: «é fazer as contas». 

 

AVISO: quem quiser consultar as condições de acesso a outro insuportável «privilégio» dos pobres, o Rendimento Social de Inserção, pode fazê-lo aqui. Vejam como o país não pode mais suportar estes elevados «desmandos orçamentais» com «quem não quer trabalhar», e, para além da pobreza material, exibe sobretudo uma aguda e persistente «pobreza de espírito», promotora da visão «subsídio-dependente» e da pedinchice ao «paizinho-estado-que-dá-tudo». Quem não estaria disposto a trocar de vida com estes «privilegiados», hã? Quem?

 

Posted in Nojo, PP Coelho | Com as etiquetas : , , , | 2 Comments »

SER PRECÁRIO

Posted by J. Vasco em 11/03/2010

«Ser precário é ser pau para toda a colher. Ser precário é não poder ter ofício. Ser precário é eventualmente fazer estágios de profissionalização para animar as estatísticas do governo. Ser precário é não ter a certeza de arranjar trabalho amanhã. Ser precário é não ter direito ao subsídio de desemprego, mesmo quando já se trabalhou muito e agora não se tem trabalho. Ser precário é ser obrigado a fazer descontos mesmo quando não se ganhou dinheiro. Ser precário é receber um salário de miséria e engrossar o cabedal das empresas de trabalho temporário, muitas delas nas mãos dos boys e dos manda-chuvas dos grandes partidos. Ser precário é não ser contabilizado nas já extensas listas dos desempregados. Ser precário é trabalhar sem contrato e poder sempre ser despedido sem justa causa. Ser precário é estar sistematicamente «à experiência», por muito comprovadamente experiente que se seja. Ser precário é ser tratado como um profissional liberal quando se vive abaixo de cão. Ser precário é, quase sempre, não escolher ser precário. Ser precário é ter um livro de recibos verdes para evitar milagrosamente que os empregadores tenham de assumir qualquer responsabilidade na construção e manutenção da cadeia de produção da riqueza. Ser precário é não poder ter filhos, porque os patrões não gostam de grávidas, nem de mães competentes, nem de pais demasiado presentes. Ser precário é ser tratado como gado, mas sem ração assegurada. Ser precário é tapar os pequenos e os grandes buracos do capitalismo. Ser precário é não ter a certeza de poder pagar a renda, é ter a certeza de que o dinheiro não dá para todas as facturas. Ser precário é ter de comer menos e menos vezes por dia, excepto quando a família ou os amigos se compadecem. Ser precário é engolir a raiva, é chorar às escondidas para não dar nas vistas, é ter medo de ser etiquetado de rebelde, é ter pânico de que esse rótulo motive a perda de um emprego medíocre mas tão difícil de arranjar. Ser precário é ter vontade de ir para a rua gritar. Ser precário é ser obrigado a ir para a rua gritar. Ser precário é decidir ir para a rua gritar. No dia 1 de Maio. Com todos os outros companheiros precários que por aí andam escondidos. Com todos os que, revoltados com a crescente injustiça social e o aumento exponencial das hostes do precariado, se juntam ao desfile do MAY DAY. Ser precário é, de súbito, ter consciência de que se todos dermos as mãos e batermos os pés, O MUNDO TREME.».

(Texto retirado do movimento/iniciativa May Day)

 

Posted in * | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »