OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Archive for the ‘República’ Category

VASCO PULIDO VALENTE: ASSINADO E REGISTADO NO LIVRO DE ACTAS

Posted by J. Vasco em 05/10/2010

Importa, em todos os fenómenos da vida social, perceber a partir de que ponto de vista se exerce a crítica. É o que permite apurar o teor e os objectivos determinados dessa crítica.

É possível criticar Kant, por exemplo, tanto de um ponto de vista materialista, como de um ponto de vista idealista. No primeiro caso, reconhece-se-lhe o mérito de conferir um estatuto de independência ôntica à realidade objectiva, apontando-lhe porém a debilidade de a considerar incógnita e incognoscível. No segundo, o idealismo mais consequente e mais radical aponta-lhe sobretudo a inaceitável concessão ao materialismo que representa o reconhecimento da objectividade material da coisa em si.

Também é possível criticar o capitalismo – recorrendo a outro exemplo -, tanto do ponto de vista aristocrático, monárquico, feudalizante, tardo-romântico, quanto a partir de posições progressistas, proletárias, socialistas, comunistas.

Detenhamo-nos agora no caso da república portuguesa, uma das primeiras da Europa.

O movimento operário critica-a não por ser república, mas pelo seu conteúdo burguês, limitado, amputado, por ser uma república burguesa, estruturada portanto para, dentro de uma moldura republicana, garantir a vigência da exploração capitalista.  Criticando-a de um ponto de vista de classe, simultaneamente transporta e carreia, através dessa crítica, o ponto de vista mais universalista de todos: o da humanidade social.

Em relação ao campo reaccionário (dos monárquicos, aos fascistas, passando por toda a gama diversa de direitistas com que a história nos foi presenteando), a crítica é dirigida não ao carácter burguês, mas ao próprio republicanismo da república, republicanismo tendencialmente universalista. Os reaccionários não podem conceber, sequer, que o fundamento da soberania resida no povo, que os cargos públicos sejam electivos e os seus titulares amovíveis, que não haja privilégios de casta, que os cidadãos sejam iguais em direitos e perante a  lei. Contudo, o que os desgosta mais na república portuguesa é a chamada questão social, a emergência, ainda que dentro de limites bem apertados e de conteúdo político muito débil, do movimento autónomo dos trabalhadores.

É neste quadro que surge e se constrói a interpretação fascista da república portuguesa. O seu objectivo era, a um tempo, legitimar, no plano ideológico, a construção do estado fascista, e, no plano prático, reprimir, e se possível liquidar, o movimento operário organizado, com vistas a afastar o perigo da revolução social e a proporcionar à burguesia, de uma forma mais estável e fortalecida, a extracção e a apropriação de mais-valia. E é assim que os fascistas, irmanados com os monárquicos, criam uma imagem da república como estado «jacobino», como reino da «violência» e do «arbítrio», como «caos social e político» onde impera a «perseguição», a «vigilância», a «intolerância» e a «fúria». Não era preciso pôr cobro a «isto», a este ambiente de «psicose social»?

Vasco Pulido Valente não é grande historiador, como se sabe: escreve um arremedo de livritos, rabisca umas croniquetas, e bolça, de ordinário, o seu profundo ódio anti-comunista. Mas Vasco Pulido Valente sabe que textos invoca, o que significam e que funções sociais e políticas concitam. E por isso não é inocente a convocação da figura de Salazar a que procede na sua diatribe contra a república portuguesa, publicada no Público do último sábado, dia 2 de Outubro. Para que fique registado no livro de actas, com a sua assinatura indelével, transcrevamos as exactas palavras de Vasco Pulido Valente: «Como dizia Salazar, “simultânea ou sucessivamente” meio Portugal acabou por ir parar às democráticas cadeias da República, a maior parte das vezes sem saber porquê.».

A visão de Salazar e dos fascistas sobre a república – eis o melhor de que é capaz Vasco Pulido Valente. 

Posted in FIGURAS, República | Com as etiquetas : , | 2 Comments »

DE QUEM? PARA QUEM? CONTRA QUEM?

Posted by J. Vasco em 05/10/2010

«Então chegou a república. Ganhavam os homens doze ou treze vinténs, e as mulheres menos de metade, como de costume. Comiam ambos o mesmo pão de bagaço, os mesmos farrapos de couve, os mesmos talos. A república veio despachada de Lisboa, andou de terra em terra pelo telégrafo, se o havia, recomendou-se pela imprensa, se a sabiam ler, pelo passar de boca em boca, que sempre foi o mais fácil. O trono caíra, o altar dizia que por ora não era este reino o seu mundo, o latifúndio percebeu tudo e deixou-se estar, e um litro de azeite custava mais de dois mil réis, dez vezes a jorna de um homem.

Viva a república, Viva. Patrão, quanto é o jornal agora, Deixa ver, o que os outros pagarem, pago eu também, fala com o feitor (…)

Já lá vai adiante o esquadrão da guarda, amorosa filha desta república, ainda os cavalos tremem e a espuma fica pelo ar em flocos repartida, e agora passa-se à segunda fase do plano de batalha, é ir por montes e montados em rusga e caça aos trabalhadores que andam incitando os outros à rebelião e greve, deixando os trabalhos agrícolas parados e o gado sem pastores, e assim foram presos trinta e três deles, com os principais instigadores, que deram entrada nas prisões militares. Assim os levaram, como a récua de burros albardados de açoites, pancadas e dichotes vários, filhos da puta, vê lá onde é que vais dar com os cornos, viva a guarda da república, viva a república da guarda (…)».

José Saramago, Levantado do Chão, Editorial Caminho, 4ª ed., 1980, pp. 33 e 35

Posted in República, Saramago | Leave a Comment »