OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Archive for the ‘MENTIRAS’ Category

CÃES DE GUARDA

Posted by qmiguel em 05/12/2012

caesdeguarda

São estes que aparecem na fotografia mas há centenas deles espalhados por  essas redações, estúdios de televisão, universidades… Servem para te explicar que a exploração não só é aceitável como é mesmo inevitável, e que nenhuma sociedade se poderá construir sem que alguém acumule o trabalho que outro produziu. Servem para deturpar a história, para a reinventar, para a contorcer até caber na narrativa oficial do sistema. Servem para que os capitalistas possam dormir descansados, para que amanhã te explorem de novo, para que não chegue até quem trabalha uma mensagem de luta por um mundo mais justo. Dependem directamente de quem te explora e de quem te oprime, devem a esses a sua sobrevivência, e são esses que defendem. Provavelmente nunca antes em democracia houve uma tal hegemonia ideológica dos meios de produção e difusão do conhecimento e da opinião como hoje.

Hoje eles vão dormir descansados, e quem fica com o fruto do teu trabalho vai dormir mais descansado porque eles existem.

E tu como vais dormir hoje?

Posted in Génio da banalidade, MENTIRAS | Com as etiquetas : , , , , , , | Leave a Comment »

O «FRANCISCO»

Posted by J. Vasco em 20/12/2010

Há duas semanas, o corropio em torno de Sá-Carneiro montou arraiais nos média nacionais. A burguesia portuguesa, ávida de um salvador sebastiânico de recorte autoritário, convocou os seus escribas e ofereceu-nos dúzias de hagiografias políticas do «Francisco», esse eminente membro da muito «azul» linhagem Lumbrales. Maria João Avillez, como de costume, destacou-se na tarefa, que, de resto, executou com gosto e com galhardia.

Antes de desmontarmos uma das principais mentiras que a senhora tentou, pela enésima vez, pôr a circular, recordemos estas palavras de Freitas do Amaral que aqui trouxemos no dia 10 de Março de 2010:

«(…)Isto levou-nos, aliás, a rejeitar a integração em bloco do aparelho local da ANP no nosso partido, que nos foi oferecida por alguns dos seus ex-dirigentes nacionais (através de listas com nomes, moradas, telefones e tudo) – o que representou da nossa parte um belo acto de coerência e idealismo, mas que não foi recompensado pelos deuses: esse aparelho acabou por se passar quase todo para o PPD, que não teve dúvida em o aceitar, depois de riscados alguns nomes mais conhecidos, com o que ganhou definitivamente a primazia sobre nós em implantação local.»

Pela boca de quem sabe, temos a prova cabal (se quiséssemos abstrair dos próprios acontecimentos de 74-75) de que os segmentos mais fanatizados do fascismo português se congregaram no PPD de Sá-Carneiro e aí lutaram, no quadro da situação democrática alcançada com o 25 de Abril, contra o novo regime. Luta, aliás, que, entre todo o tipo de conspirações e de contactos com o estrangeiro, incluiu bombismo, terrorismo, homicídios, etc.

Sá-Carneiro, por mais «alas liberais» que lhe queiram arranjar, era membro da Assembleia Nacional fascista. Era eleito pelas listas do partido fascista. O seu fito era salvar a burguesia portuguesa do calvário de uma revolução, e por isso, dentro das baias do regime, procurava uma saída airosa junto dos jovens lobos tecnocratas. Tudo isto – é sempre bom sublinhar e repetir -, no quadro do próprio regime fascista.

Agora, a grande tese que Avillez quer traficar: Sá-Carneiro queria acabar com o Conselho da Revolução e afastar os militares da vida política, ou seja, «entregá-la ao poder civil». O desejo de Sá-Carneiro extinguir o Conselho da Revolução é-nos servido pela jornalista in abstractum, como se fosse uma incondicionada posição de princípio que não guardasse qualquer ligação concreta com o contexto político da época e com a respectiva correlação de forças político-militar. Mas ainda que não atendêssemos a essa colocação adequada do problema, refutaríamos a mentira de Avillez (a de que Sá-Carneiro queria afastar os militares da «política») dizendo o seguinte:

Sá Carneiro conspirou desde a primeira hora contra a revolução portuguesa com um militar de recorte fascista e prussiano, Spínola; foi com um militar, Spínola, que procurou ilegalizar o PCP e que participou no golpe Palma Carlos; foi com um militar, Spínola, que preparou a mascarada da «Maioria Silenciosa» e do 28 de Setembro, que tinha como objectivo, justamente, atribuir plenos poderes ao mesmo Spínola e referendar uma constituição que não abarcasse o partido comunista; foi com militares, entre os quais Spínola, que animou vários bandos contra-revolucionários; foi com militares que deu o seu contributo para o 25 de Novembro e que pediu, consequentemente, o afastamento do PCP e dos comunistas em directo na televisão; finalmente, foi um militar reaccionaríssimo, Soares Carneiro (vejam aí em baixo o autocolante da campanha), que Sá-Carneiro decidiu apoiar nas presidenciais de 1980, dizem as más línguas que para subverter a constituição e referendar uma nova. Más línguas, claro…

  

Pois é, Maria João, a história que nos pretende vender pode ser interessante. Tem é um pequeno problema: é falsa de ponta a ponta.

Posted in FIGURAS, MENTIRAS, Sá-Carneiro | Com as etiquetas : , | 3 Comments »

RUMO A GUANTÁNAMO, NA GRANDE NAVE «DEMOCRACIA»

Posted by J. Vasco em 15/12/2010

Base das Lajes, Ilha Terceira, Açores

AQUI e AQUI.

Posted in Guantánamo, MENTIRAS | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

…E UM EVITÁVEL DESENCONTRO COM MARX

Posted by * em 23/04/2010

Em diversos manuais do secundário (de história, sociologia, filosofia, etc.), o marxismo é apresentado como uma teoria niveladora primária, que pretenderia alcançar a total igualdade económico-salarial. A utópica e superficial perspectiva proudhoniana, que Marx sempre combateu, é apresentada como se fosse a posição marxiana. Assim se ensinam mentiras!

O que o marxismo propõe  e não é  o nivelamento salarial, nem é a igualdade pela igualdade, mas sim acabar com a exploração do homem pelo homem. Neste processo, durante o socialismo vigoraria o princípio “a cada um de acordo com o seu trabalho” e no comunismo o princípio “a cada um de acordo com as suas necessidades“. Nem no socialismo, nem no comunismo, haveria igualdade pura e simples. Seria desejável que os autores de manuais, antes de embarcarem em falácias do espantalho contra o marxismo, se dedicassem a conhecer minimamente aquilo que pretendem ensinar.

Posted in Desencontro com Marx, MENTIRAS | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

O QUE TU QUERES SEI EU!

Posted by * em 15/02/2010

MENTIRAS QUE OS EXPLORADOS ENGOLEM:

Para a mentira ser segura/ e atingir profundidade,/ deve trazer à mistura/ qualquer coisa de verdade

(António Aleixo)


“O POVO VIVE NA MISÉRIA PORQUE É ROUBADO PELOS POLÍTICOS!”

É uma das mentiras preferidas da burguesia. Tem várias vantagens: em primeiro lugar, junta, sob o termo “povo”, os explorados e os exploradores. Depois, contrapõe este “povo” aos políticos, desviando a atenção e a raiva dos explorados, que em vez de se concentrarem na luta contra a exploração, concentram-se na luta contra “os privilegiados”. No entanto, se duplicarmos ou triplicarmos o salário de todos os políticos do país, o país continuaria praticamente na mesma situação; se abolirmos os salários de todos os políticos, também a situação económica do país continuaria praticamente na mesma. Mas enquanto o povo se indigna com os deputados, os Belmiros de Azevedo sorriem, complacentes com a ingenuidade da plebe.

“QUANTO MENOR FOREM O ESTADO E OS IMPOSTOS, MELHOR SERÁ PARA A SOCIEDADE!”

O Estado é um aparelho de repressão, é um aparelho, fundamentalmente, a serviço dos exploradores. No entanto, o Estado permite também a instituição de algum carácter social aos bens sociais, que, de outro modo, estariam directamente nas mãos dos exploradores. O que é público pode ser mais controlado pelos trabalhadores do que o que é privado. Pagar impostos e receber em troca serviços sociais de qualidade depende muito da capacidade de intervenção dos trabalhadores em defesa destes serviços. Mas, para os trabalhadores, é pior  pagar  menos impostos se isso significar ter de pagar os custos totais serviço a serviço. Isto porque, no primeiro caso, a burguesia é também obrigada a pagar impostos que revertem a favor de todos; no segundo caso, os trabalhadores têm de arcar, em cada caso particular, com as despesas todas. Para a burguesia é sempre melhor pagar menos impostos, uma vez que, tendo dinheiro para pagar serviços privados e não tendo necessidade de usar os serviços públicos, também não têm razão para querer contribuir para a sua manutenção.

“CLASSE POLÍTICA, CLASSE DOS PROFESSORES, CLASSE DOS ADVOGADOS, ETC”

Nada disto são classes sociais. estes grupos sociais não têm uma relação específica para com os meios de produção. A burguesia tem interesse em chamar “classe” a qualquer grupo social para confundir as coisas e disfarçar o antagonismo entre as verdadeiras classes sociais (até pode falar da classe dos motoristas, classe  dos bombeiros, etc). A burguesia “tem o direito” a ser ignorante, mas os trabalhadores não se podem dar a esse luxo.

“OS PARTIDOS SOCIALISTAS EUROPEUS SÃO PARTIDOS DE ESQUERDA”

Mentira que confunde não apenas os trabalhadores, mas grande parte da própria esquerda. Se o critério usado for a posição frente ao regime capitalista e à exploração (de apoio ou de negação), então os partidos socialistas são, evidentemente (desde há muito tempo) partidos de direita. Não são apenas partidos que levam a cabo políticas de direita, são partidos que não poderiam, sendo quem são, levar a cabo outras políticas. Há direita mais reaccionária? Há, sem dúvida! Os partidos socialistas situam-se (por enquanto), no terreno da direita democrática. Mas a existência de bandidos piores, não transforma um bandido numa pessoa de bem.

 

Posted in MENTIRAS | 2 Comments »