OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

PINOCRATO ALDRABÃO

Posted by * em 11/09/2012

Este governo é o que de mais mafioso já houve em Portugal. Se toda a burguesia é mafiosa, esta é a parte mais mais violentamente mafiosa da burguesia. E este carácter revela-se tanto nos serviços prestados ao capital na exploração dos trabalhadores como no ataque a conquistas básicas no âmbito da saúde e educação. A máfia nem finge respeitar os elásticos e classistas limites da própria legalidade burguesa, a máfia nem se compadece com o mínimo respeito pela verdade quando a questão é enganar para lucrar. E a máfia adora mentir e aldrabar. Eis alguns dos muitos exemplos e questões que permitem ver como o tipo que está a destruir a educação pública aldraba os ingénuos:

1) “A percentagem de alunos entre os 15 e os 19 anos vai aumentar 10% ou mais por comparação com a última década. A previsão é da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e contraria as projecções apresentadas pelo ministro Nuno Crato nos últimos dias.”

http://www.publico.pt/Educa%C3%A7%C3%A3o/previsoes-da-ocde-contrariam-nuno-crato–1562526

2) O aldrabão cita frequentemente dados escolhidos acerca de uma queda da taxa de natalidade. Mas… a taxa de natalidade tem repercussões imediatas no ensino nestes mesmos anos em que ocorre? As crianças, ao nascerem, vão logo, nesse mesmo ano de nascimento, para a escola e o secundário? Mesmo sem irmos à questão óbvia de a variação demográfica não depender unicamente da taxa de natalidade, a quantidade de professores necessários depende unica e exclusivamente da taxa de natalidade? Não há, por exemplo, disciplinas e apoios que não estavam à disposição de alunos da escola pública? Não há uma infinidade de carências educativas a colmatar que não se subordinam à variação da taxa de natalidade? Em relação à também frequentemente referida diminuição da quantidade de alunos a frequentar o ensino, há alguma manipulação de números (essa “diminuição” não corresponde, por exemplo, nos diferentes graus de ensino às diferentes taxas de despedimentos de professores… e o primeiro ponto deste post mostra que nem a OCDE corrobora as mentiras aventadas).

3) Se o ataque à escola pública levou a que o número de contratações ficasse, de um ano para o outro, pela metade, acham que de um ano para o outro há uma diminuição correspondente de crianças no país? Seria um caso único na história da humanidade!

5) Será que a taxa de quem frequenta o ensino (que hoje inclui praticamente todas as faixas etárias) se mantém inalterada ao longo dos anos, apenas variando a quantidade de alunos por efeito de variações da taxa de natalidade? Será que agora ainda se mantém a taxa de frequência à escola do acarinhado tempo da outra senhora (da época salazarenta de que o governo tem saudades) quando as pessoas, embora certamente nascessem e crescessem, não frequentavam, na sua enorme maioria, a escola para além da quarta classe (quando tanto)?

6) Claro que o aldrabão entremeia o seu discurso demagogo-melífluo com a fingida defesa do rigor e do estudo. Mas basta ver como o desenvergonhado aumenta a quantidade de alunos por turma e incentiva e promove a “autonomia” de contratação (para que toda a sorte de directores-mini-ditadores de escolas TEIP e com autonomia possam mafiosamente colocar a seu bel-prazer a sobrinha e o amigo do filho e o filho do amigo, independentemente da graduação destes) para vermos em que “Relvas” e cunhas cresce esse “rigor” e essa “preocupação” pedagógica (e o mentiroso compulsivo lá vai dizendo, sabendo que não é verdade, que há uma plataforma de colocação “automática” nas Ofertas de Escola).

7) Em relação à necessidade de “racionalizar recursos”, também o tipo mente com quantos dentes tem na boca: basta ver que, por razões de compadrio e ideológicas, não tirou um cêntimo à choruda ajuda de 85 mil euros por turma que dá aos amigos parasitas do ensino particular, aos que fazendo da educação um negócio, continuam a parasitar o Estado. Nem um cêntimo diminuiu! Isso, enquanto destrói a vida de milhares de professores do ensino público. Isso, enquanto continua a “implodir” a educação pública.

8) etc., etc… (pena que os jornalistas que entrevistam os mafiosos estejam apenas a trabalhar para eles, em vez de serem jornalistas. É a carreirazinha e o dinheirinho, não é?).

PS: são tantas as mentiras e aldrabices deste mentiroso compulsivo que nem é possível referir todas. Só mais esta: “Na sua entrevista ao Sol, na sexta-feira passada, e à TVI, na segunda-feira, o ministro Nuno Crato justificou que a máquina da escola pública não precisa de mais docentes porque o número de alunos no sistema diminuiu 200 mil. Ou seja, há menos 200 mil estudantes no ensino. Portanto não são precisos tantos professores. Duzentos mil em três anos? Foi a peste? Um terramoto? A emigração? Ou a diminuição da natalidade, como argumentou Nuno Crato? Não. O PÚBLICO descobriu que foi um erro nas estatísticas do ministério: a inclusão do número dos adultos das Novas Oportunidades. O ministro comparou dados de um ano de expansão das Novas Oportunidades – que tinham pouquíssimas aulas com professores, mas que eram acompanhados por formadores, logo, o argumento de não serem precisos professores por causa destes adultos não pode ser usado – com os de outro ano onde as Novas Oportunidades não foram contempladas. Um erro? Como é que um ministro que tanto ama o rigor e a exigência não soube ler os números? BW”

http://www.educaremportugues.com/2012/09/o-ministro-matematico-e-estatistica.html

E aqui: “Acho que agora fica claro que o MEC recorreu aos alunos das NO para, de forma algo ardilosa, induzir em erro a opinião pública sobre o número de alunos em permanência nas aulas para as quais foi aberto concurso para docentes. E esqueceu-se de acrescentar que no mesmo período se aposentaram mais de 10% dos professores dos quadros. Resta saber se Nuno Crato o fez de forma consciente, se achou por bem acreditar nos números que lhe tenham fornecido. Em qualquer cos casos, deveria existir alguma responsabilização…”

http://educar.wordpress.com/2012/09/20/um-pouco-mais-de-rigor-por-favor-2/

Saber “ler” e manipular os números ele sabe, sim. Saber mentir ele sabe como ninguém. Temos é nós de saber ler os números e descobrir as mentiras. Temos de ficar com o pé atrás em relação a tudo o que ele vomita e conferir cada intrujice deste tipo. É que ele mente, mente, mente que se farta, mente descaradamente.

P.S.: esta do dia 14.09.2012: o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, defendeu a demissão do ministro da Educação, por este estar a destruir a escola pública. E acrescentou: “[Nuno Crato] tem em  muitos casos omitido a verdade, fugido à verdade, sido demagogo naquilo  que fala e até inclusivamente recorrido à mentira”.

http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2012/09/14/fenprof-defende-demissao-de-nuno-crato

Quer dizer, já se comenta por todo o lado que o tipo é, além de reaccionário, um reles mentiroso, um aldrabão!

Anúncios

Uma resposta to “PINOCRATO ALDRABÃO”

  1. Cátia said

    Pois é, destacaste aqui questões relevantes sobre a falsa justificação da redução da taxa de natalidade e o consequente aumento do desemprego nas escolas.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: