OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Archive for Abril, 2012

38 ANOS DE SAUDADES

Posted by J. Vasco em 22/04/2012

O Paulinho das feiras já lá vai. Junto com o paleio demagógico da «lavoura» e dos «reformados», e com a boina de lavrador. Estão bem guardados (quem sabe se ao pé das 60 mil fotocópias do Ministério da Defesa…), prontos para usar quando voltar a ser tempo de compor a personagem e cheirar a poleiro outra vez.

No último ano, a pose tem sido outra: a do chamado «homem de estado», de cenho carregado, falando baixinho e exibindo «prudência», «recato» e «responsabilidade». A «carreira» do político assim o exige. Os pacóvios do comentário dominado (e dominante) assim lhe recomendam. Mas principalmente assim lhe dizem para fazer os seus mandantes: os empresários que procuram «investir» lá fora.

Nestes dias, veio ao de cima o mais íntimo de Paulo Portas. Marioneta dos grandes interesses espoliadores do continente africano, falou de alto aos guineenses e lançou-lhes ameaças de invasão a coberto da «comunidade internacional». Paulo Portas move-se no processo neocolonial em curso como peixe na água. Os 38 anos de saudades do Portugal fascista aguçam-lhe o esmero.

Posted in FIGURAS, Neocolonialismo, PP | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

À ATENÇÃO DOS ESCROQUES, BANDALHOS, IGNÓBEIS E CANALHAS AÍ DE BAIXO

Posted by J. Vasco em 22/04/2012

Posted in FIGURAS, Rita Blanco | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

A BURGUESIA, A CULTURA E A EDUCAÇÃO

Posted by J. Vasco em 22/04/2012

Depois de um ano de trabalho voluntário na Es.col.a, ao longo do qual se pôs de pé e a funcionar uma miríade de actividades que o capitalismo sonega diariamente às populações, a fúria pidesca da burguesia laranja do Porto abateu-se sobre livros, computadores, quadros, brinquedos e trabalhos de crianças. Aniquilou o substrato e o produto da cultura e da educação que o próprio povo da Fontinha organizou e dinamizou.

Tudo o que não entra no circuito do valor; qualquer actividade ou relação social que não sirva para auto-valorizar o capital; cada espaço e momento que não estejam ao serviço da sucção de mais-valia – são impiedosamente perseguidos pela burguesia e pelos seus representantes políticos e reduzidos a pó.

No lugar da cultura e da educação (que os burguesotes confundem com «formação de elites»), do desporto, do convívio e da fruição de actividades lúdicas, ergam-se antes, de braços dados com a especulação imobiliária, centros comerciais. Por um lado, é preciso fazer face à super-produção e realizar o valor produzido; por outro, é absolutamente necessário atomizar as existências, incutir a mentalidade do «consumidor», matar à nascença qualquer veleidade de auto-organização colectiva dos explorados e das massas populares.

Para além do espírito fascista de Rui Rio e do PSD, no microcosmos da Fontinha manifestou-se principalmente a relação de ódio que a burguesia mantém com a cultura e com a educação. «Ou servem para me aumentar o lucro – ou eu saco da pistola e dou cabo de vós».

Posted in Escola da Fontinha | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

LEMBRAI-VOS SEMPRE, Ó GENTES, DE QUEM É A FAMÍLIA DE RUI RIO

Posted by J. Vasco em 21/04/2012

 

Posted in * QUASE SEM COMENTÁRIOS, FIGURAS, Onda Reaccionária | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

“QUAL O TEU NOME?” – “EU SOU AQUELE QUE NEGA”

Posted by qmiguel em 20/04/2012

Os mordomos da burguesia (Rio para o caso) decidiram mais uma vez destruir os frutos da acção popular. Abril vai longe  e a “democracia” dos senhores do mundo é sinónimo de autoridade e desrespeito total pela vida das classes populares. Apadrinhado pela traição à pátria que representou a aprovação do MES pelos partidos do regime, golpe brutal na democracia e auto-determinação dos povos, Rui Rio (mas não se enganem podia ser outro) presenteou os seus conterrâneos com mais uma medida de classe, no interesse da cada vez mais ditatorial democracia burguesa. Para os mais incautos uma medida de classe é privatizar a água que é de todos em prol do lucro de quem acumulou o capital necessário para explorar os outros por todos os meios que encontra. Uma medida de classe é também fechar um Hospital que primava pelo seu serviço à população da maior cidade do pais para o entregar a especuladores e parasitas. Todas estas medidas são medidas de classe e são também a negação da democracia. No entanto todos os dias os escribas deste regime, acossados pelo medo e pelo poder crescente de uma burguesia que num triplo movimento agudiza a exploração dos activos, lança os jovens para a miséria e indignidade, e tira anos de vida àqueles que já não consegue explorar directamente, negam diariamente pelos meios que monopolizam, a existência de classes,  e promulgam por santo decreto mediático abstracto  a existência dessa mesma democracia que os agentes do capital tratam de negar em cada uma das suas singelas acções.

Senão vejamos:

Posted in *, Acordai!, Crise, Escola da Fontinha, Goethe, Imperialismo, Neoneoliberalismo, Onda Reaccionária | Com as etiquetas : , , , , , , , , | Leave a Comment »

DO FACTO DE SE PERTENCER AO PARTIDO DOS DOMINANTES

Posted by J. Vasco em 17/04/2012

«A indiferença é um apoio tácito àquilo que é forte, àquilo que domina. (…).

O desinteresse político é saciedade política. O homem saciado tem uma atitude «desinteressada», «indiferente» em relação a um pedaço de pão; mas o faminto será sempre «partidário» na questão do pedaço de pão. O «desinteresse e indiferença» em relação ao pedaço de pão não significam que um homem não precise de pão mas que esse homem tem sempre o pão assegurado, que ele nunca teve falta de pão, que ele se acomodou firmemente no «partido» dos saciados. O sem partidarismo na sociedade burguesa é apenas a expressão hipócrita, encoberta, passiva, do facto de se pertencer ao partido dos saciados, ao partido dos dominantes, ao partido dos exploradores.»

Lénine, O Revolucionarismo Sem Partido, Obras Escolhidas Em Seis Tomos, 1, Edições Avante, p. 287

Posted in Sem partidarismo | Com as etiquetas : , | Leave a Comment »

ESCROQUES, BANDALHOS, IGNÓBEIS, CANALHAS

Posted by J. Vasco em 17/04/2012

 

«Um grupo de músicos lançou, com o alto patrocínio de Cavaco Silva, o hino do Movimento Zero Desperdício. É um projecto que tem as medidas do Presidente da República e que se dedica a pedir a restaurantes, hotéis e supermercados – imagine-se – que dêem as sobras a quem precisa. Isto, que mais não é do que um hino à pobreza e que em momento algum questiona os responsáveis pela calamidade social em que vivemos, indigna qualquer pessoa de esquerda. Por isso, espero que os artistas que se deixaram vender à hipocrisia tenham os bolsos cheios. Todos temos de comer mas há quem prefira a dignidade ao dinheiro. Falo da Ana Bacalhau, Anabela, Anjos, António Pinto Basto, Adriana, Ana Sofia Varela, Armando Teixeira, Boss AC, Camané, Carlos Mendes, Chullage, Cristina Branco, Cuca Roseta, Fernando Cunha, Fernando Girão, Fernando Tordo, Gomo, Janita Salomé, João Pedro Pais, Jorge Palma, João Gil, Kátia Guerreiro, Lara Li, Lúcia Moniz, Luís Represas, Luísa Sobral, Manuel João Vieira, Mafalda Veiga, Miguel Gameiro, Miguel Pité, Nuno Norte, Olavo Bilac, Paula Teixeira, Paulo de Carvalho, Pedro Laginha, Pedro Puppe, Ricardo Quintas, Ricardo Ribeiro, Rita Guerra, Roberto Leal, Rui Veloso, Salvador Taborda, Sara Tavares, Sérgio Godinho, Susana Félix, Tiago Bettencourt, Tim, Tito Paris, Vitorino, Zé Manel».

Bruno Carvalho, via 5dias

PS: lembrança oportuníssima do António Vilarigues:

Ouçam esta música http://www.youtube.com/watch?v=ZHieMBabirY “Vamos brincar à caridadezinha” – José Barata Moura (gravação original de 1973) e vejam a diferença de forma e de conteúdo do artista. E na altura «cantigas» destas podiam dar direito a uns «safanões a tempo»…

Posted in * QUASE SEM COMENTÁRIOS, FIGURAS | Com as etiquetas : | Leave a Comment »

UM BILHETE DA GRÉCIA

Posted by * em 06/04/2012

Ler sobre a notícia aqui e aqui

Ver a tradução aqui ou aqui

Posted in * | Leave a Comment »

VAMOS TODOS ASSINAR A “VÉRTICE”

Posted by * em 03/04/2012

A “Vértice”, revista teórica nascida em 1942, é do que melhor se publica em Portugal.

Vamos todos assinar a “Vértice”!

Anexo com a ficha de assinaturas da Vértice

Posted in * | Leave a Comment »