OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Archive for 30 de Abril, 2011

PRIMEIRO DE MAIO

Posted by * em 30/04/2011

Muito há a crescer, enquanto ser humano, para estar ao nível de sequer falar do 1º de Maio. Entretanto, aqui fica a homenagem aos muitos que lutaram, aos muitos que lutam, aos muitos que continuarão sempre a lutar contra a exploração do homem pelo homem.

В. Купцов, Первое Мая. 1929 (V. Kúptsov, 1º de Maio. 1929)

Posted in 1º de Maio | Leave a Comment »

58 SEGUNDOS DE MISÉRIA

Posted by J. Vasco em 30/04/2011

Posted in * QUASE SEM COMENTÁRIOS | 1 Comment »

NÃO ENTRES TÃO DEPRESSA NESSA NOITE ESCURA

Posted by J. Vasco em 30/04/2011

Se o meu amigo Jorge Carvalheira se der ao trabalho de virar a atenção, por um segundo, para a Grécia antiga dos séculos VI e V antes da nossa era – que diferenças encontrará entre Esparta e Atenas, por exemplo? Em termos da forma política do estado, do peso relativo das diferentes actividades económicas, das preocupações pedagógicas – algumas, com certeza. Os hilotas e os periecos, com efeito, não tinham as mesmas características económicas e sociais dos metecos.

Uma cabeça entupida de senso comum olha para estas diferenças, no movimento seguinte genuflecte diante das aparências – e acaba consagrando-as como a contradição determinante da Grécia clássica, afirmando que num lado há ditadura e que noutro existe democracia. Mas um indivíduo medianamente cultivado, portador de espírito crítico, sujeito de razão (e um escritor a sério, por força do seu ofício, é tudo isto a multiplicar por 10), observa as mesmas diferenças, integra-as na totalidade concreta a que estão ligadas e onde ganham estação, e nunca lhe passará pelo sentido negar que o estado grego, seja ele o de Esparta ou o de Atenas, não é outra coisa senão o estado dos escravistas, não é mais do que a organização dos proprietários de escravos para manter, consolidar e aprofundar o seu domínio de classe sobre os escravos. Este indivíduo, raciocinando desta forma, transitou da aparência à essência, não para negar a aparência, mas para explicá-la no seu movimento de manifestação e de aparecimento. Este indivíduo, pensando desta maneira, nem sequer negou a especificidade dos metecos em Atenas: integrou-a na contradição determinante, fundamental, essencial, da sociedade grega. Leia o resto deste artigo »

Posted in Jorge Carvalheira, PS e PSD: partidos colaços | Leave a Comment »