OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

Archive for 29 de Dezembro, 2010

ENTREVISTA A PERIKLIS PAVLIDIS

Posted by J. Vasco em 29/12/2010

Como prometêramos, publicamos no Olhe Que Não a entrevista de fundo que Periklis Pavlidis, professor universitário grego, nos concedeu há um mês, nas vésperas da greve geral de 24 de Novembro. Ao contrário do que então dissemos, acabámos por não dividir a entrevista em módulos. Fazêmo-la chegar ao leitor por inteiro, sem interrupções na sequência da leitura.

Periklis Pavlidis é professor assistente de Filosofia da Educação na Universidade Aristóteles, de Tessalónica. Cursou História na URSS, como aluno da MGU, tendo-se licenciado em 1991. Doutorou-se em 1994, na mesma Universidade, em Filosofia. É membro da International “Logic of History” School, centro internacional de estudos marxistas agrupado em torno da obra do filósofo soviético Viktor Vaziulin. Tem um livro publicado sobre o fenómeno da burocracia na URSS.

Frontal e directo, Periklis Pavlidis partilhou connosco as suas análises, opiniões e perspectivas, e a entrevista contém basto material para reflectir, meditar e discutir. É com essa esperança, a de que a reflexão e o debate continuem, que a deixamos ao dispor dos leitores. 

 

OLHE QUE NÃO – Descreve-nos a situação económica e social da Grécia neste último ano.

PERIKLIS PAVLIDIS – É uma situação que se caracteriza por uma rápida e profunda deterioração das condições de vida da grande maioria da população.

O gradual declínio da economia grega no quadro da União Europeia, devido à aguda competição com as economias mais fortes; a contracção do potencial produtivo do país; o enorme deficit comercial (em Agosto de 2010 chegou aos 14, 4 biliões de euros); a escandalosa política dos governos burgueses para fortalecer por via de programas financeiros os grandes negócios – tudo isto levou a um gigantesco aumento da dívida pública, a qual, a 31 de Dezembro de 2009, atingiu a soma de 298 524 milhões de euros, o que corresponde a 124,3% do PIB.

Devo acrescentar que já em Junho de 2010 a dívida pública atingiu o valor de 316 954 milhões de euros, e que, de acordo com a revista Economist, espera-se que chegue aos 150% do PIB em 2014.

Leia o resto deste artigo »

Anúncios

Posted in Grécia, Periklis Pavlidis | Com as etiquetas : , , , , | Leave a Comment »

OS CÃES DE GUARDA DO LIXO COMERCIAL

Posted by J. Vasco em 29/12/2010

Aqui fica, com a devida vénia e com o merecido aplauso, este excelente post do Bruno Carvalho, no 5dias.

Para além de tudo aquilo que o Bruno diz, há quatro coisas que eu gostaria de acrescentar.

1 – Através da promoção do lixo comercial, o formato e a dinâmica do programa visam mais. A partir da figura do «júri», visam ditar comportamentos, atitudes, sentimentos e valores, todos eles girando em torno de um eixo fundamental: o diktat do mercado é todo-poderoso, é ele que sabe, que determina, que estabelece. Face a ele, devem claudicar a cultura genuína, o gosto trabalhado, a individualidade produtora. Se não és do mercado, não és – eis a divisa do «Ídolos».

2 – A verdadeira cultura não cabe na competiçãozinha manhosa, que elimina da face da Terra quem «não vende» e que consagra «o melhor» com holofotes, néons e lantejoulas. Como se pode pôr em competição Beethoven e Bach, Vermeer e Rubens, Camilo e Eça, Shakespeare e Eurípides, Hitchcock e Bergman? A verdadeira cultura exige trabalho sério, conhecimento das heranças a partir das quais se trabalha, dedicação, tempo, amor. A verdadeira cultura transforma duradouramente o ser humano: na compreensão que adquire de si mesmo, dos outros e do mundo, nos desejos que o animam, na vivência sentimental, ética e política. A cultura não é um leve «digest» para «passar o tempo», como alguns gostam de dizer. O «Ídolos» pretende reduzir a música a um momento inconsequente que se esgota nuns acordes simples que soam bem ao ouvido, um momento que não exige o trabalho da compreensão e que mantém tudo como está – seja a vivência interior, seja a realidade social.

3 – Nas circunstâncias actuais, a conversa de que há lugar para tudo, incluindo para o lixo comercial inconsequente, é conversa de chacha, boa para amolecer os espíritos e a racionalidade crítica. Hoje não há tal coisa; não há, em pé de igualdade, a música comercial entre, ou ao lado, de muitas outras manifestações musicais. O comercial e as leis do mercado invadem tudo, são o deus único, um rolo compressor que subsume à sua lógica qualquer coisa que veja a luz da existência. A hipocrisia e o cinismo dos falsos calimeros não podem passar em claro.

4 – Os dois indivíduos das pontas da mesa são do mais indigno que já se viu. O da direita é um bronco malcriado, um simples burgesso. O da ponta oposta é tudo isso, mas é também alguém que odeia qualquer coisa que cheire a esquerda e a cultura, e é com o fito de abjurar essas maldições vermelhas que emite a sua verborreia. Verborreia, por certo, sanamente comercial.

Posted in Ídolos | Com as etiquetas : | 1 Comment »

1979

Posted by J. Vasco em 29/12/2010

O autor deste cartaz é meu tio – e chama-se Arlindo Fagundes. Não será tal laço de parentesco, no entanto, que me leva a afirmar que nunca houve outro cartaz igual: nem tão belo, nem tão original.  Na forma e no conteúdo, no explícito e no implícito, no conjunto e nos detalhes. Apreciem.

Com um abraço ao meu tio Arlindo

Posted in Arlindo Fagundes, Festa do Avante | Com as etiquetas : | 1 Comment »