OLHE QUE NÃO

olhequenao.wordpress.com

A «ESTABILIDADE» (DO CAPITAL) É A INSTABILIDADE DAS NOSSAS VIDAS

Posted by J. Vasco em 17/10/2010

No próximo dia 24 de Novembro, os trabalhadores portugueses avançam para a greve geral. Engrossaremos a torrente de lutas, protestos e greves que têm varrido a Europa desde a Primavera passada. Contra a exploração capitalista; contra a intensificação do esbulho patronal a propósito da crise; contra a descida dos salários, a subida vertiginosa do custo de vida e a retirada de direitos. Pelo fortalecimento da resistência organizada dos trabalhadores à brutal ofensiva da burguesia; pelo crescimento da consciência social e política dos trabalhadores; pela preparação de novas lutas (mais fortes, mais coesas, mais conscientes, imparáveis) contra a «estabilidade» do capital, que é a instabilidade das nossas vidas. Ao trabalho, camaradas!

4 Respostas to “A «ESTABILIDADE» (DO CAPITAL) É A INSTABILIDADE DAS NOSSAS VIDAS”

  1. Miguel said

    Camarada,

    Por Paris vivem-se tempos de luta, greves, manifestações, demonstrações de grande coragem por parte da classe operária. Terça fomos 3 milhões e meio na rua, no domingo outros tantos, na próxima terça há nova manifestação. Entretanto múltiplas greves sectoriais continuam a ser reconduzidas desde terça passada: caminhos de ferro, transportes públicos, portos, refinarias (onde os trabalhadores conseguiram parar todas as refinarias do país, nada menos que 12), educação (em certas regiões), alguns sectores da função pública e os camionistas aderem dentro de meia hora ao movimento. Tendo citado apenas os sectores mais estratégicos. Entretanto os estudantes aderiram ao movimento tendo fechado entre 500 e mil liceus na ultima semana (amanhã de manhã saberemos melhor como segue o movimento a este nível).

    Paris respira um clima grave, policiamento constante e exagerado, a assembleia nacional e o senado só reúnem protegidos por uma camada de carrinhas (muitas) do corpo de intervenção nas ruas adjacentes. Torna-se raro encontrar uma estação com gasolina e em breve haverá perturbações ao nível dos aprovisionamentos de todo o género. Tem havido distúrbios da ordem social menores um pouco por toda a parte, ouve até um estudante que perdeu um olho (como consequência de uma intervenção policial), e os anarquistas chegaram mesmo a montar uma barricada em Rennes (entretanto “desactivada”). O fundamental é que a luta radicaliza-se e torna-se, de dia para dia mais política (e assim esperamos que continue).
    Entretanto o silêncio do governo foi quebrado há umas horas. O primeiro-ministro anunciou hoje que usaria de bom grado a força para “desbloquear” as refinarias, num claro atentado à lei da greve (Acrescentou que os trabalhadores não tinham o direito de destabilizar a economia). Anunciou também que não pretendem recuar no que toca às reformas (dizendo que taxar o capital para pagar reformas era uma vigarice), e premiou o mundo do trabalho com o anúncio da intenção de acabar com o imposto sobre as fortunas. Uma demonstração de ódio de classe.
    Do ponto de vista mediático o tratamento da informação tem sido completamente inaceitável, há uma distância imensa entre a realidade e o que é relatado, dando-se prioridade às afirmações do governo (segundo as quais a paz e a ordem reinam na república francesa, e onde as greves são minoritárias e sem impacto na vida das populações). A realidade no entanto impõe-se inevitavelmente a quem sai de casa diariamente. Os meios de comunicação tomam o seu partido. Entre outras denúncias: http://www.acrimed.org/article3459.html .
    O futuro do movimento continua incerto. Espera-se que ninguém abandone a intersindical, que reúne na proxima quinta,e que a mesma avance para um greve geral por tempo indeterminado. O elo mais fraco é a CFDT (2º maior sindicato) demonstra o direito de negociar, algo absolutamente natural dado a natureza do sindicato em questão. A direcção no entanto está um pouco refém das bases bem mais radicais (o sindicato conheceu uma radicalização no último congresso).
    Desculpa-me a brevidade e espontaneidade do relato,
    Mas fica aqui o testemunho, na esperança que sirva de alento, e um voto de confiança para a jornada de luta
    Um abraço fraterno de quem comunga da mesma luta,

    Miguel Queiroz

  2. […] nosso camarada e amigo Miguel Queiroz, a viver em França, deixou aqui um importante testemunho sobre o enquadramento geral, a dinâmica e as perspectivas dos […]

  3. A CHISPA ! said

    A “estabilidade” do capital é a instabilidade das nossas vidas, bem observado, mas há muita gente que se diz de esquerda que se levanta sempre que a situação politica e social se instabiliza para o capital e para o sistema constitucional burguês.

    Saudações fraternais
    A CHISPA!

  4. lp1917 said

    SÓ O POVO SALVA O POVO!
    VIVA A UNIDADE DOS TRABALHADORES E AS SUAS ORGANIZAÇÕES DE CLASSE, AVANTE PELA GREVE GERAL!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: